Nós Somos Santuários Espirituais!

16 de outubro de 2017

Auto-sacrifício é o fundamento sobre o qual o Universo foi construído e a lei pela qual ele opera. Se o sacrifício não fosse a suprema lei do Universo, operaria Deus, o Supremo Governante do Universo, segundo esse princípio? Mediante o Calvário Deus está a dizer-nos: “Este é o trono do Universo, não somente para Cristo; é o único caminho do poder, da autoridade e do governo para todos”. Satanás desafiou este princípio e perdeu. Em todas as circunstâncias da vida e prática diárias, Deus está dando a cada um de nós a escolha de atuar com base neste princípio em preparação para o governo eterno – ou, descer da cruz com o fim de salvar o eu, perdendo dessa maneira a coroa. As únicas pessoas que tem verdadeira autoridade sobre Satanás são as que decidem permanecer na cruz, permitindo que ela as liberte de toda a busca, serviço e promoção do ego.

Paul E. Billheimer[1]

1) Entendendo Nossa Verdadeira Origem.

Nós somos Santuários de Deus! (1ª Coríntios 3:16).

Esta é uma das mais relevantes verdades dogmáticas da Bíblia e especialmente do Novo Concerto feito entre o Messias e o Pai Celestial. O maior de todos objetivos da vinda de Jesus ao nosso planeta foi o de estabelecer a possibilidade de nos tornarmos filhos de Deus (1ª João 3:1), uma vez que tal condição havia sido perdida pelo pecado (Romanos 5:12-13; Isaías 59:1-2).

A nossa situação, por ocasião da Aliança feita entre o Messias e o Pai é de tão imensa vantagem no Universo que de nós agora é dito:

Bendito seja o Deus Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que, segundo a Sua grande misericórdia, nos regenerou para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança incorruptível, incontaminável e imarcescível, reservada nos Céus para vós, que pelo poder de Deus sois guardados, mediante a fé, para a salvação que está preparada para se revelar no último tempo” (1ª Pedro 1:3-5).

Se a comunidade da qual você faz parte ajuda você a compreender que a sua vida congregacional objetiva ampliar seu relacionamento com o Senhor e lhe possibilita uma maior aproximação com o Espírito de Deus, então ela é uma benção na sua vida e você deve aprofundar sua dedicação às suas reuniões e cooperar com seus empreendimentos.

Mas se a sua comunidade não o ajuda a ser mais cheio do fruto do Espírito, se não o ajuda a ser mais e mais estudioso da Bíblia e, se não o estimula a ser uma pessoa que é capaz de orar sozinho, e muito menos testemunhar livremente da vida que Deus deseja conceder-nos, então saia desta comunidade, porque ela não serve para nada!

A verdadeira Igreja de Deus neste Mundo não é um clube social, mas é um lugar onde todas as pessoas que fazem parte de seu convívio podem verdadeiramente receber em suas vidas o seguinte padrão:

Assim, pois, não sois mais estrangeiros, nem forasteiros, antes sois concidadãos dos santos e membros da família de Deus, edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, sendo o próprio Cristo Jesus a principal pedra de esquina; no qual todo o edifício bem ajustado cresce para templo santo no Senhor, no qual também vós juntamente sois edificados para morada de Deus no Espírito. (Efésios 2:19-22).

Este estudo que aqui apresento fere, de modo absolutamente direto, a tendência trágica que há em nosso tempo, de atribuir-se as capelas e templos religiosos uma condição que decididamente não existe, ou seja, os templos religiosos não possuem poder algum, embora a psiquê sócio-religiosa de nosso tempo consiga incutir uma tendência diferente às massas de ignorantes espirituais que estão por toda parte.

O que há numa capela católica ou protestante que seja digno de nossa “adoração”? Eu declaro e procuro demonstrar neste estudo que não há nada num templo de qualquer religião que seja digno de adoração!

A idéia é simples: se Deus não está na sua vida em todo lugar que você esteja, então não estará também em capelas e templos com você, por mais que os dirigentes religiosos digam o contrário e arrumem um imenso marketing religioso para dar a impressão de que a suntuosidade de seus cultos representa um poder que só existe naquele lugar, porque é tido como “casa de Deus”, a verdade é que “Deus não habita em templos feitos por mãos de homens”.

Estar numa capela e estar numa praça, no quarto, no banheiro, na rua, na sala de aula, ou em qualquer outro lugar, não é diferente para nós, se entendermos que a presença de Deus deve ser cultivada na vida interior! (Lucas 17:20-21; 2ª Coríntios 13:5 e Romanos 14:12).

Estou então dizendo que ir a uma Capela ou a um Templo é um erro?

De modo algum! Somente um ignorante poderia supor que estou dizendo isto.

Mas, se quisermos entender onde está a chave da hipocrisia religiosa moderna, teremos que mergulhar no verdadeiro sentido que a Palavra de Deus nos dá para nos envolvermos com uma Igreja que se diz Evangélica.

Este verdadeiro princípio não pode ser entendido se imaginarmos que a adoração cristã é uma adoração templária, ou seja, somente realizável e sediada nas capelas e templos; porque muitos dirigentes eclesiásticos fazem as pessoas terem suas atenções somente para suas igrejas e templos como se elas fossem o próprio Jesus Cristo. Ora, a função da Igreja e a função do Pastor é a de edificar vidas para serem morada do Espírito Santo.

Onde foi que encontrei esta certeza absoluta no que estou dizendo?

Disse Jesus: mulher, crê-me, a hora vem, em que nem neste monte, nem em Jerusalém adorareis o Pai. Vós adorais o que não conheceis; nós adoramos o que conhecemos; porque a salvação vem dos judeus. Mas a hora vem e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem. Deus é Espírito e é necessário que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade. (João 4:21-24).

Uma das maiores desgraças que acometeu o cristianismo moderno é este espírito de negócio religioso que campeia por toda parte na sociedade, através do falso ministério de muitas denominações que se apresentam como religiosas. As pessoas precisam ser alertadas contra esta tendência que fixa uma situação mais ou menos assim: as pessoas fingem que estão sendo edificadas nas igrejas e as igrejas fingem que estão edificando a obra de Deus, quando na verdade, o que está sendo edificado é um imenso sistema formalista e hipócrita de religiosismo frio e sem uma verdadeira transformação da natureza das pessoas – embora as contas bancárias das denominações não parem de crescer!

Pior ainda, existem muitas denominações religiosas atuando de forma tão ousada que, depois de incutir nas congregações a idéia de dependência de templos, fazem de seus pastores e religiosos administradores e gerentes de um mero negócio. O sagrado e o profano juntos só pode dar uma coisa: um sistema satânico de adoração! Afinal a estratégia de Satanás não foi sempre a de misturar a verdade com o erro?

Replico aos que me lêem agora: estudem cuidadosamente esta pesquisa, usando a Bíblia, pois verificarão que o Reino do Messias não é deste Mundo, mas deve estar dentro de nós! (Lucas 17:20-21).

A vida espiritual não é uma modificação da vida que tínhamos, nem uma melhora da vida anterior, mas uma transformação da natureza iníqua para a natureza espiritual explicitada nas Escrituras como oriunda de Deus. Se a sua religião não o torna um ser humano teocêntrico, concentrado e dependente de Deus, ela o mantém preso no egocentrismo (que é orgulho), ainda que seus cultos sejam cheios de emoção e choros, tal religião egocêntrica não vale nada!

Assim diz o Senhor: não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem se glorie o forte na sua força; não se glorie o rico nas suas riquezas; mas o que se gloriar, glorie-se nisto; em entender, e em me conhecer, que eu sou o Senhor, que faço benevolência, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o Senhor. (Jeremias 9:23-24).

Se é preciso gloriar-me, gloriar-me-ei no que diz respeito à minha fraqueza. O Deus e Pai de nosso Senhor Jesus, que é eternamente bendito, sabe que não minto. (2ª Coríntios 11:30-31).

Dou graças Àquele que me fortaleceu, a Cristo Jesus nosso Senhor, porque me julgou fiel, pondo-me no seu ministério, ainda que outrora era eu blasfemador, perseguidor, e injuriador; mas alcancei misericórdia, porque o fiz por ignorância, na incredulidade; e a graça de nosso Senhor superabundou com a fé e o amor que há em Cristo Jesus. Fiel é esta palavra e digna de toda aceitação: que Cristo Jesus veio ao mundo salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal; mas por isto alcancei misericórdia, para que em mim, o principal, Cristo Jesus mostrasse toda a sua longanimidade, a fim de que eu servisse de exemplo aos que haviam de crer nele para a vida eterna. (1ª Timóteo 1:12-16).

Aquele, porém, que se gloria, glorie-se no Senhor. Porque não é aprovado aquele que se recomenda a si mesmo, mas sim aquele a quem o Senhor recomenda (2ª Coríntios 10:17-18).

O propósito das denominações religiosas deve ser o de edificar vidas e não concentrar todos os esforços nesta direção é perder a razão da própria existência da Igreja.

Quando uma Instituição como a que nos permite realizar este estudo abre suas portas para que este entendimento seja amplamente tratado e estudado à luz da Palavra de Deus, ela certamente se faz serva de Deus, se faz abençoada por Deus e, se torna uma porta de edificação de vidas.

Louvado seja Deus que encontrou nesta Instituição um grupo de servos Seus que permite que esta mensagem seja ouvida e meditada. Os frutos desta iniciativa não tardam a ser conhecidos de todos nós!

Nós somos santuários espirituais dentro de uma Instituição religiosa. Nossa presença torna a Instituição uma Igreja e não a Instituição nos faz Igreja! Deus está interessado em nossas vidas e não em edificações humanas!

2) A Casa Para Morada de Deus Somos Nós Mesmos.

2.1) O que cada um de nós é diante de Deus?

  • 1ª Coríntios 6:19,20 (3:16,17; 2ª Coríntios 6:16; Hebreus 3:5,6) – Somos Santuários para a habitação do Espírito de Deus.

2.2) Como cada um de nós pode cuidar da casa de Deus, a qual casa somos nós mesmos?

  • Lucas 6:47-49 – Podemos construir esta casa de Deus sobre a Rocha, ou sobre a areia. Os seus fundamentos nós escolhemos onde vamos colocar. Podemos ser casas onde o caráter é firme, ou podemos ser casas próximas de uma grande ruína. Se edificarmos sobre a Rocha, nossa vida crescerá diante de Deus, e Ele nos fortalecerá o caráter. (1ª Pedro 2:3-5). A Rocha é Jesus, a casa somos nós mesmos, as enchentes representam os problemas da vida e as tentações. Os fundamentos desta casa são os princípios do Reino de Deus gerados em Jesus Cristo (1ª Coríntios 3:11). Devemos ouvir e praticar (Tiago 1:22; Romanos 2:13).

2.3) O que é mais importante na nossa existência? Qual é o nosso maior dever na vida?

  • João 4:20-24 – Sermos adoradores de nosso Pai em espírito e em verdade.
  • Romanos 7:19-25 – De nós mesmos não temos qualquer capacidade de fazer o que agrada a Deus. Por esta razão é que a Bíblia nos orienta que o nosso maior dever é: “permanecei em Mim e Eu permanecerei em vós; (…) porque sem Mim nada podeis fazer” (João 15:4-5). Veja-se também: Isaías 26:12; Filipenses 2:12-16.

2.4) Como devemos proceder agora em nossa vida?

  • 1º Pedro 2:1-5 – Deixando o pecado, desejemos os fundamentos da vida espiritual, achegando-nos ao Senhor, para sermos edificados como casa espiritual, para sermos sacerdócio santo, para oferecermos sacrifícios espirituais.
  • Como oferecer estes sacrifícios espirituais? Basta que cumpramos o que manda: Romanos 12:1-2 e Colossenses 3:15-17 (Romanos 13:11-14).

2.5) Deus ensina que as “capelas” são “sua igreja”?

  • Não. No Novo Testamento a Igreja não está em capelas religiosas ou construções humanas. A Igreja Apostólica foi o fim do Templo que havia em Israel como centro de culto, e inaugurou a chegada do Reino de Deus que está em nós.
  • A questão templária pode ser facilmente compreendida pelo estudo das seguintes passagens:
    • Atos 17:24 – Deus, no ensino público de Paulo, “não habita em templos feitos por mãos de homens”.
    • Atos 7:47-49 – Estevão, em seu discurso antes de morrer, disse que, embora Salomão tenha edificado um templo em Jerusalém, o “Altíssimo não habita em templos feitos por mãos de homens” – e usou como prova disto o texto profético que está em Isaías 66:1,2.
    • º Reis 8:27-30 – Realmente Salomão reconheceu que Deus não habitava no Templo que ele reconstruiu em Jerusalém, mas que havia colocado naquele lugar “o Seu Nome”, e Seus ouvidos, lá de sua habitação real “no céu”, estaria atento à todas as orações que ali fossem feitas. O Templo era um lugar para um encontro do pecador com Deus. Mas Deus não habitava ali.
      • A questão relativa ao “Nome do Senhor” habitar no Santuário Terrestre, está em Deuteronômio 12:2-11. O Templo era uma firme oposição à idolatria do Mundo, um centro de encontro mundial para adoração do Criador do Céu e da Terra. Era o centro de um sistema educacional divino.
      • º Reis 9:1-7 – Deus em Pessoa apareceu a Salomão e lhe garante que “separaria a casa edificada”, e diz que poria ali o Seu Nome, e os “meus olhos e coração estarão ali todos os dias”. Mas não o próprio Senhor estaria ali, pois “o céu, nem os céus dos céus podem Te conter” (1.º Reis 8:27-30).
      • Este ponto sobre o Templo da Antiga Aliança e mesmo no Novo Testamento deve ser muito claro para quem estuda a Palavra de Deus. Em Jeremias 23:24 o próprio Senhor diz: “esconder-se-ia alguém em esconderijos, de modo que eu não o veja? Diz o Senhor. Porventura não encho Eu o Céu e a Terra? Diz o Senhor!” – mais ainda, Paulo declara que “O Deus que fez Mundo (…) não habita em templos feitos por mãos de homens (…) porque nEle vivemos, nos movemos e existimos” (Atos 17:24-28).
      • A atenção de Deus ao Templo (dito de Salomão) dependeria de algumas condições básicas que os textos que apresentamos já evidenciaram. O povo de Israel transgrediu todas que lhe diziam respeito. Este Templo foi destruído no tempo de Nabucodonosor. Depois reconstruído no tempo de Esdras e Neemias, durou até 70 depois do Messias, quando Tito, general romano, arrasou-o por completo e Israel ficou nas condições previstas pelo Senhor ao Salomão, ou seja, “exterminado da terra que havia recebido e uma vergonha entre todos os povos da Terra.”
    • Ainda sobre a queda do Templo de Salomão, pesa o fato de que em Hebreus 7, escritor sagrado declara que há dois Concertos ou Alianças entre Deus e os homens. Um foi feito com o Sacerdócio Levítico e o outro foi feito com o Senhor Jesus que é da Tribo de Judá. Exatamente no verso 12 está escrito: “pois, mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também mudança da lei”.
      • Ora, este ponto é muito forte na Bíblia, porque tudo que for pertinente ao Sacerdócio Levítico, incluindo o Templo de Salomão e todos os rituais, festas, ordenanças e determinações referentes a este Ministério estão agora abolidas mediante o sangue de Cristo e a Nova Aliança que foi feita entre Ele e o Pai Celestial.
      • A Bíblia chama este Sacerdócio de Ordem de Melquisedeque e Cristo é o Sumo Sacerdote. As regras referentes ao mesmo estão Hebreus 3 até 10.

2.6) Ora, se o Senhor acabou com o Templo de Salomão e não habita em templos feitos por mãos de homens, como devemos considerar os inúmeros templos (capelas) espalhados por toda parte?

  • Primeiramente não devemos esquecer sob hipótese alguma que vivemos nos dias em que a verdadeira adoração se faz da seguinte maneira:
    • Não em Jerusalém, nem em montes ou qualquer lugar tido como “o local de adoração”, mas da seguinte maneira:

Disse Jesus: mulher, crê-me, a hora vem, em que nem neste monte, nem em Jerusalém adorareis o Pai. Vós adorais o que não conheceis; nós adoramos o que conhecemos; porque a salvação vem dos judeus. Mas a hora vem e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem. Deus é Espírito e é necessário que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade. (João 4:21-24).

  • A adoração em nossos dias pode ser feita em qualquer lugar:

Pois onde se acham dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles. (Mateus 18:20).

Recomendo-vos a nossa irmã Febe, que é serva da Igreja que está em Cencréia (Romanos 16:1).

As igrejas da Ásia vos saúdam. Saúdam-vos afetuosamente no Senhor Áquila e Prisca, com a Igreja que está em sua casa. (1ª Coríntios 16:19).

  • A adoração que pode acontecer em qualquer lugar e não apenas em um templo ou capela, não exclui a realidade de que há uma Igreja nas Cidades, com uma liderança devidamente constituída e responsável pelas vidas.

Cuidai de vós mesmos e de todo o rebanho sobre o qual o Espírito santo vos constituiu bispos, para apascentardes a Igreja de Deus, que Ele adquiriu com Seu próprio sangue. (Atos 20:28).

Consideremo-nos uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras, não abandonando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia. (Hebreus 10:24-25)

  • Isto entendido, podemos dizer que é um erro grosseiro da parte de muitos religiosos que procuram amarrar as pessoas em templos! Por que é um erro grosseiro? Porque desviam a mente dos frequentadores deste tipo de sistema do verdadeiro plano do Senhor para Sua Igreja nos dias do Sacerdócio de Melquisedeque que é o que estamos vivendo hoje (como já vimos em Hebreus 7).
  • Este plano do Sacerdócio da Ordem de Melquisedeque, além de ser profético, está na base do próprio surgimento e da chegada do Reino de Deus mediante o Ministério de Cristo. Desviar a mente do povo do mesmo é pecado e, é desvirtuar toda a estrutura do Novo Concerto ou Nova Aliança promovida pelo sangue de Cristo.
    • A questão é tão séria e profunda em significados que o Cristo declarou algumas vezes que os Seus discípulos não iriam adorar em Jerusalém no Templo (João 4:20-24), mas que a adoração aconteceria em espírito e verdade através da seguinte manifestação:

Respondeu-lhes Jesus: Se alguém me amar, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viremos a ele e faremos nele morada. (João 14:23).

Portanto, o que desde o princípio ouvistes, permaneça em vós. Se em vós permanecer o que desde o princípio ouvistes, também vós permanecereis no Filho e no Pai. (1ª João 2:24).

E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Ajudador, para que fique convosco para sempre, a saber, o Espírito da verdade, o qual o mundo não pode receber; porque não o vê nem o conhece; mas vós o conheceis, porque ele habita convosco, e estará em vós. (João 14:16-17)

Quando vier, porém, aquele, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá o que tiver ouvido, e vos anunciará as coisas vindouras. Ele me glorificará, porque receberá do que é meu, e vo-lo anunciará. Tudo quanto o Pai tem é meu; por isso eu vos disse que ele, recebendo do que é meu, vo-lo anunciará. (João 16:13-15)

  • Consideremos, pois este plano profético a seguir:
    • Já vimos que o templo terrestre foi destruído (no ano 70 de nossa Era);
    • Já vimos que Deus, no Novo Testamento não habita em templos feitos por mãos de homens (Atos 17:20-24);
    • Mas o que disse o Senhor sobre o que faria ao estabelecer Seu pacto novo mediante o ministério do Messias?
      • Hebreus 10:10-17 e 8:8-12 – “Porei as minhas leis em seus corações e no entendimento”. Compare-se estas passagens com Jeremias 31:31-34.
      • Ao concluir o Filho do Deus de Israel o Seu ministério, o que faria Deus em relação ao culto verdadeiro? Ezequiel 36:22-28 – “ainda porei dentro de vós o Meu Espírito”.

2.7) Ora, se o Senhor acabou com o Templo de Salomão e não habita em templos feitos por mãos de homens, como devemos considerar os inúmeros templos (capelas) espalhados por toda parte?

  • Devemos estudar cuidadosamente as profecias sobre o Messias para compreendermos estas coisas. Ele mesmo disse que tal prática seria a chave para que seus discípulos pudessem entender o que havia acontecido por ocasião de Sua morte (Lucas 24:44-47).
    • Em Mateus 12:6 declara-se que o Senhor Jesus é maior que o templo de Salomão. Leia isto em sua Bíblia!
    • Em Hebreus 7:11-17 fica claríssimo que o Sacerdócio Levítico com a Lei Mosaica e todo o Templo de Jerusalém, com as Ordenanças que compunham o Concerto feito no Monte Sinai, foram absolutamente substituídos pelo Novo Concerto com o Sumo Sacerdote da Ordem de Melquisedeque, que é da Tribo de Judá e não de Levi, cujo nome é Jesus Cristo, Aquele que morreu no Calvário por nossos pecados (1ª Timóteo 1:15 e 2:5).
    • Todavia, o grande momento em que Jesus expõe que é maior do que o Templo de Salomão, está em João 2:13-23. Nesta importante passagem muitos se concentram no aspecto de que o Senhor condena os que faziam do Templo de Salomão uma casa de negócios (verso 16). Ora, o que queremos salientar nesta passagem são os versos 19-21: “derribai este santuário e em três dias o levantarei. Disseram, pois, os judeus: ‘em quarenta e seis anos foi edificado este santuário e tu o levantarás em três dias?’ – Mas Ele falava do santuário do seu corpo.
    • O que há de especial aqui? Primeiramente em Colossenses 2:9 declara-se que “nEle habita corporalmente toda a plenitude da divindade”, o que já é suficiente para demonstrar-se que Ele é maior do que o Templo de Salomão, mas, há algo profético nisto tudo;
    • Diante do Sumo Sacerdote, este assunto que Ele mesmo havia dito foi-lhe jogado na face como um insulto. Exigiam dEle uma atitude sobrenatural e disseram o que está em Mateus 26:61-64, procurando ofendê-lo e incriminá-lo por dizer que era maior do que o templo de Salomão. As conseqüências do que Este assunto trouxe foram definitivas para a Nação Israelita ser rejeitada pouco tempo depois: Mateus 26:65-68 (veja-se em ligação com Mateus 27:22-26). Notai cuidadosamente este ponto: a Nação foi rejeitada porque rejeitou Aquele que é maior do que o grande templo de Salomão!
    • Mais do que isto: Um Templo estava prestes a ser derrubado e outro estava prestes a ser edificado! Foi isto que Cristo disse! Foi esta discussão que levou o Sumo Sacerdote Levítico a condená-lo (a afirmativa de Jesus de que edificaria o Templo) dava àqueles algozes inimigos da verdade e líderes da Nação a “certeza” de que matá-Lo era justo e correto. Veja-se em Mateus 27:39-43 que este era o argumento principal que encontravam para crucificá-Lo e escarnecerem de Sua Santa Pessoa.
    • O que afirmavam as profecias sobre este ponto em particular?

Portanto assim diz o Senhor Deus: ‘eis que ponho em Sião como alicerce uma pedra, uma pedra provada, pedra preciosa de esquina, de firme fundamento; aquele que crer não se apressará. (Isaías 28:16).

Ao Senhor dos Exércitos, a Ele santificai; e seja Ele o vosso temor e seja Ele o vosso assombro. Então Ele vos por será santuário; e servirá de pedra de tropeço e de rocha de escândalo, às duas casas de Israel; de armadilha e de laço aos moradores de Jerusalém. E muitos dentre eles tropeçarão, e cairão, e serão quebrantados e enlaçados e presos. Ata o testemunho e sela a lei entre os meus discípulos. (Isaías 8:13-16).

A pedra que os edificadores rejeitaram, essa foi posta como pedra angular. Foi o Senhor que fez isto, e é maravilhoso aos nossos olhos. Este é o dia que o Senhor fez, regozijemo-nos e alegremo-nos nele. (Salmo 118:22-24).

  • Diante destas profecias o que os apóstolos entenderam, ao considerarem os acontecimentos dos quais foram testemunhas oculares e que em seguida, no recebimento do Espírito Santo (Atos 2:14-21) passaram a ensinar a todos os discípulos aonde iam?
    • 1ª Pedro 2:5-10 – Jesus é a pedra que os edificadores rejeitaram e nEle se fundou a Igreja que substituiu o Reino de Israel, que foi rejeitado quando rejeitou-O como Senhor (Mateus 23:29-39).
    • Efésios 1:17-23 – a Nova Ordem de coisas tem Jesus como cabeça da Igreja e esta Igreja é Seu Corpo, isto é: Santuário de Sua habitação (verso 22-23). Mais ainda, Efésios 2:19-22 declara que não somos mais forasteiros e peregrinos, mas “membros da família de Deus, edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, sendo o próprio Jesus Cristo a principal pedra de esquina”. E devemos ser edificados agora neste plano espiritual.
  • Quando alguém, pretendendo defender a cultura templária que muitas denominações vivem exaltando declaram que nossa posição está equivocada, tenho firmado minha mente na certeza do que está escrito em Hebreus 8:1-2:

Ora, do que estamos dizendo, o ponto principal é este: temos um Sumo Sacerdote tal, que se assentou nos céus à direita do trono da Majestade, ministro do santuário e do verdadeiro tabernáculo, que o Senhor fundou e não o homem.

  • Se temos um santuário desta natureza, não precisamos de nenhum santuário terrestre, especialmente porque está escrito:

Pois, se aquele primeiro fôra sem defeito, nunca se teria buscado lugar para o segundo. Porque repreendendo-os, diz: ‘eis que virão dias, diz o Senhor, em que estabelecerei com a casa de Israel e com a casa de Judá um novo pacto. Não segundo o pacto que fiz com seus pais no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; pois não permaneceram naquele Meu pacto, e Eu para eles não atentei, diz o Senhor. Ora, este é o pacto que farei com a Casa de Israel, depois daqueles dias, diz o Senhor; porei as minhas leis no seu entendimento, e em seu coração as escreverei ; Eu serei o seu Deus e eles serão o Meu povo (…) novo pacto, Ele tornou antiquado o primeiro. E o que se torna antiquado e envelhece, perto está de desaparecer” (Hebreus 8:7-13).

 Decididamente não há, na Bíblia e especialmente no Novo Testamento, qualquer espécie de autorização para ensinarmos que as nossas Capelas ou Templos em forma de uma construção edificada por homens são “casa de Deus”. Mas pelo contrário, o ensino agora tem que ser assim:

Moisés, na verdade, foi fiel em toda a casa de Deus, como servo, para testemunhar das coisas que se haviam de anunciar; mas Cristo o é como Filho sobre a casa de Deus, a qual casa somos nós, se tão somente conservarmos firmes até o fim a nossa confiança e a glória da esperança. (Hebreus 3:5-6).

2.8) Então não haveria mais cultos no Santuário de Jerusalém? Onde seriam agora os cultos?

  • Toda a estrutura de culto Levítico foi abolida com suas formas e Santuário (Hebreus 8:12-13). Jesus já nos ensinou que a adoração deve ser realmente em espírito em verdade (João 4:19-24), e que o lugar não é o que importa, mas o nome dele sendo invocado com verdadeira devoção (Mateus 18:20).
  • É claro que esta adoração tem que acontecer em algum templo especial. Tem que haver um lugar de culto. Vimos que este lugar de adoração seria dentro de nós mesmos (Lucas 17:20-21), já nos revelou que o próprio Espírito dEle e de Seu Pai estaria conosco (João 14:16-17; 14:26; 15:26; 16:13-15). Não há qualquer dúvida, quando lemos 1ª Coríntios 3:16-17; 6:19-20, dentre outros textos que o local de adoração é dentro de nós mesmos que somos a Casa de Deus.

2.9) Então é errado ir a um templo ou capela? Estaríamos praticando um pecado?

  • É lógico que não!
    • Não somos fanáticos que se põem gratuitamente contra toda e qualquer reunião em capelas e templos! Isto seria falta de inteligência! O erro grosseiro está em pensar que Deus está na capela porque ela foi construída por uma denominação religiosa qualquer.
    • Eis o que diz o Senhor: “Onde dois ou mais se reunirem, ali estou no meio deles” (Mateus 18:20). – Notamos por isto que, no Novo Testamento, não é o lugar, mas a reunião de discípulos em nome do Senhor o que caracteriza a Sua presença. A expressão “onde”, pode bem ser aplicada “também” aos templos, sinagogas, capelas, mas não significará nunca “somente na capela ou templo”.
    • Mas, há nisto um grande desvio e problema moral e ético. Em nossos dias, as pessoas só cultuam a Deus subordinadas a uma ida até a capela / templo. Isto é absurdo! O desvio da obra que Jesus deseja realizar é uma desgraça. Ao invés de levar o povo a edificar uma casa espiritual para o Senhor, muitas denominações buscam apenas edificar capelas / templos para si mesmas. O avanço e crescimento da Igreja de Deus não ocorre quando as denominações constroem templos, mas quando as vidas que compõem a Igreja se tornam mais e mais semelhantes a Jesus. Isto é o que declara enfaticamente o texto sagrado:

Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo, do qual o corpo inteiro bem ajustado e ligado pelo auxílio de todas as juntas, segundo a justa operação de cada parte, efetua o seu crescimento para edificação de si mesmo em amor. (Efésios 4:15-16).

(…) da qual todo corpo, provido e organizado pelas juntas e ligaduras, vai crescendo com o aumento concedido por Deus (Colossenses 2:19).

Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo o próprio Cristo Jesus a principal pedra da esquina; no qual todo edifício bem ajustado cresce para templo santo no Senhor, no qual também vós juntamente sois edificados para morada de Deus no Espírito (Efésios 2:20-22).

  • Em todo lugar onde este desvio acerca do verdadeiro significado do crescimento da vida espiritual das pessoas ocorre, fica marcado, na prática, a falta de sensibilidade da liderança com relação ao verdadeiro ministério de edificação das vidas. O povo, ao invés de se reunir para verificar como edificar seu caráter para a glória do Senhor, se reúne para assistir programas religiosos formalistas, ouvir shows musicais evangélicos e para treinar-se em não formar um caráter.
  • Quando uma denominação religiosa se posiciona bem em termos de organização sistemática para promover este crescimento espiritual previsto em Efésios 2:20-22, quando se posiciona ao redor de uma proposta de edificação de vidas e respeita os fundamentos operacionais previstos na Palavra de Deus, sobretudo os que estão determinados em Efésios 4:11-16, não só o sucesso de sua missão é certo e garantido, como esta denominação se torna uma Instituição do bem, uma força para o avanço da obra de Deus na Terra. Para este tipo de denominação somos imbuídos alegremente de dizer: Louvado Seja Deus por esta Comunidade! Nossas orações seguem com um misto de louvor por haver este grupo de valorosos servos em missão!
  • Por outro lado, esta compreensão demonstra um outro aspecto muito importante na questão da adoração em nossos dias. Fica mais clara e evidente a completa nulidade de símbolos, objetos de veneração e qualquer tipo de coisa material ou imaterial que o ser humano ponha diante de si e considere sagrada ou santa (Efésios 5:5; 1ª Samuel 15:23; 2ª Coríntios 6:16; 1ª Tessalonicenses 1:9). Saber que nós somos a Casa de Deus (1ª Coríntios 3:16-17) funciona como um golpe fatal e definitivo na idolatria ou religião templária. Aprendemos que temos que ser autênticos em todo lugar, inclusive no templo, mas não apenas nele. Isto aprofunda a nossa devoção diária!
  • É desnecessário alongar-nos na discussão da falência do sistema de culto católico, especialmente porque se desviando completamente do que aqui temos apresentado, ergueu na Terra um tipo de adoração absurda, onde as pessoas podem orar para os mortos que “chamam de santos e intercessores”, numa clara manifestação do imenso espiritismo que se pratica naquela Igreja com sede no Vaticano. Não temos qualquer sombra de dúvidas de que qualquer ligação com esta espécie de culto é, além de uma traição objetiva aos ensinamentos de Deus, como uma exaltação do modelo de culto da mesma natureza de qualquer outra forma de culto pagão.
  • Toda esta conversa contemporânea de que devemos adotar uma aproximação religiosa, que o diálogo se justifica porque não devemos ser “fanáticos” é um erro crasso. Na verdade, o fato de existirem “moedas falsificadas na sociedade não invalida o valor da que é verdadeira”. As liturgias não podem ser misturadas. Esta conversa de “ecumenismo” é uma imensa conversa diabólica, pois não há, na Palavra de Deus, qualquer sanção para edificar-se tudo isto que o cristianismo quer denominar Igreja. A Bíblia deixa claríssimo como entender esta questão:

Que harmonia há entre Cristo e Belial? Ou que parte tem o crente com o incrédulo? E que consenso tem o santuário de Deus com ídolos? Pois nós somos santuário do Deus vivo, como Deus disse: neles habitarei, e entre eles andarei; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo. Pelo que, saí vós do meios deles e separai-vos, diz o Senhor; e não toqueis coisa imunda, e eu vos receberei; e eu serei para vós Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo Poderoso. (2ª Coríntios 6:15-18).

  • Assim, não há equívoco em afirmar que toda denominação que deseja apresentar-se como sendo em si mesma a Igreja com base no fato de ser uma instituição assim descrita, ou ainda com base em tradições humanas (histórica ou supostamente apostólica), é uma confissão de satanismo.
  • Muito bem faria aos que crêem neste modelo de estabelecimento de Igrejas analisarem os seguintes versos bíblicos esclarecedores: Mateus 23:1-12 e principalmente Marcos 10:42-45.

2.10) Seguindo a prática dos irmãos do Novo Testamento, que viviam para edificar suas vidas diante do Senhor, recomendamos as seguintes instruções para a comunidade dos fiéis que desejam ser edificados como Santuários Espirituais:

  • A comunidade deve reunir-se em suas casas e fortalecer a Igreja através desta prática. A congregação pode crescer muito por este sistema de desenvolvimento: Hebreus 10:24-25; Romanos 16:3-5; 1.º Coríntios 16:19; Filemon 1:1,2; Colossenses 4:15.

2.11) Em Atos 5:42 temos um único verso que fala sobre a reunião dos discípulos no Pórtico de Salomão que ficava no Templo. Não seria esta uma orientação templária?

  • Primeiramente, o Templo de Jerusalém não era presidido pelos discípulos, mas os Levitas que induziram Jesus à morte é que governavam ali. Isto ficará claro em Atos 4:1-3, quando verificamos que, devido à pregação dos apóstolos no Templo, que se iniciou em Atos 3:11,12 (e vai até Atos 3:26), antes deles serem presos, a autoridade suprema do local eram o Sumo Sacerdote, o Capitão do Templo e os Sacerdotes. Portanto, o fato dos apóstolos estarem diariamente no Templo não prova que foram ali para realizar um modelo de cultos “formalistas” e sem “edificação de discipulado” que verificamos haverem se instalado em muitas partes do Cristianismo Contemporâneo.
  • Em segundo lugar, o Templo era muito grande. Gigantesco mesmo. Era o centro único de toda a nação israelita/judaica. O que havia de mais recente na pátria saía dali e espalhava-se por toda à parte. Os apóstolos tinham, portanto, razões evangelísticas muito fortes para pregarem naquele local (Atos 5:42; 2:46; Lucas 24:53).
  • Mas, em que local do Templo eles ficavam quando iam pregar a Palavra? Numa espécie de Praça, chamada de Pórtico de Salomão (Atos 5:12; 3:11). Este lugar, no Templo, era uma praça em que Jesus apreciava “passear” quando ia ao Templo. Eles estavam ali, certamente, devido à forte imagem do Mestre naquele local (Veja-se João 10:22,23). A ida dos discípulos ao Templo não estava associada à necessidade de irem ao Templo como lugar de culto para cultuar, mas por razões evangelísticas bem afortunadas, pois numa delas se converteram muitos (Atos 4:4).

2.12) Um outro texto que parece dar a entender que devemos viver presos no sistema templário de culto é 1ª Timóteo 3:15. como entendê-lo corretamente à luz de tudo que estudamos até aqui?

  • No texto de 1ª Timóteo 3:15 está escrito: “para que, no caso de eu tardar, saibas como se deve proceder na casa de Deus, a qual é a igreja do Deus vivo, coluna e esteio da verdade”.
  • Seria esta casa de Deus alguma outra casa diferente da que já vimos neste estudo como sendo nós mesmos, Santuários do Espírito Santo? Eis a resposta claríssima da Palavra de Deus:
    • “Moisés, na verdade, foi fiel em toda a casa de Deus, como servo, para testemunho das coisas que se haviam de anunciar; mas Cristo o é como Filho sobre a casa de Deus, a qual casa somos nós, se tão somente guardarmos firmes até o fim a nossa confiança e a glória da esperança.”(Hebreus 3:5,6).
    • Todavia, a expressão “como se deve proceder na casa de Deus” parece indicar que se trata de um local templário. E mais ainda, quando se declara tal lugar é “a qual é a igreja do Deus vivo”. Como resolver esta questão?
    • Na Bíblia a interpretação de um texto só pode ser feita pela justa comparação entre outros textos que versam sobre a mesma matéria. No caso de haver um templo humano que possa ser chamado hoje de casa de Deus é uma impossibilidade. O texto de Hebreus aqui descrito já deixa claro que este tipo de linguagem só foi apropriado no tempo de Moisés e na Era de Cristo tudo foi mudado (Hebreus 7:12-13; 3:5-6).
    • O meu entendimento é o seguinte: “para que, no caso de eu tardar, saibas como se deve proceder (como vidas dedicadas a Deus porque sois) na casa de Deus, a qual (vossa vida) é a igreja do Deus vivo, (onde se manifesta a) coluna e esteio da verdade”.

2.13) Qual o Plano do Senhor para a Casa Espiritual que somos nós mesmos?

  • Edificar-nos como a própria morada para a Sua Pessoa (Efésios 2:19-21; 1ª Coríntios 3:16-17; 2ª Coríntios 6:16; Hebreus 3:5-6).

__________________________________________

[1] BILLHEIMER, Paul E. Seu Destino é a Cruz. Editora Betânia, Venda Nova (MG), 1994, p. 13.

Nenhum Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas