Sobre o Divórcio e Novo Casamento (1)
Artigos / 11 de dezembro de 2017

Eu sempre faço verificações sobre meu textos na Internet e, para minha curiosa atenção, alguém postou um link com um texto meu, preservando meu nome, inclusive, e ele está disponível em: Divórcio e Novo Casamento, Uma Visão Realista – Prof. Jean Alves Cabral E este artigo é, uma manifestação bem ampla de minha parte sobre este assunto. Mas, não repetirei o que escrevi neste texto longo (em forma de estudo) e sim, uma breve consideração sobre uma manifestação que é clássica e com a qual discordo em parte e, sazona por muitos lugares. Sim, uma coisa é respeitarmos a manifestação do pastor “a” ou “b” e outra é sermos tolos que aceitam tudo a qualquer momento, só porque foi dito por tais representantes do establisment religioso em nossa microcultura. Quero apontar como elemento de análise o sermão proferido pelo nobre Pastor Paulo Junior, que aqui vou indicar e que é de foro público:   Por razões pessoais, e especialmente por pesquisar este tema há alguns anos, me posiciono contrário à muitos aspectos defendidos por ele nesta manifestação – mas, não em tudo. A principal linha que defendo é  a de que “cada um de nós dará conta de si mesmo…

Sobre a Ordem no Culto e a Bagunça Que Ocorre em Muitos Ministérios!
Artigos / 4 de dezembro de 2017

Primeiramente, quero compartilhar um vídeo que me foi encaminhado e em seguida apresentarei um texto acerca desta situação manifesta no vídeo que, por estranho que pareça, é muito comum no meio pentecostal por toda parte. Vamos ao vídeo!  Em resposta à pergunta: “o que devemos pensar deste testemunho?” Em determinado momento da exposição, o pregador disse que havia uma lei no barraco: “tem que orar na entrada”; e outra lei na saída: “tem que orar na saída”! Em minha vida (e creio que em todos os discípulos da Igreja de Cristo) existe uma lei permanente e ela advém de um mandamento apostólico que diz o seguinte: 1ª Coríntios 4:6 – “E eu, irmãos, apliquei estas coisas, por semelhança, a mim e a Apolo, por amor de vós; para que em nós aprendais a não ir além do que está escrito, não vos ensoberbecendo a favor de um contra outro“. Então, a regra para analisar todas as coisas é a seguinte: Não importa se é Paulo Apóstolo, ou o grande Professor Apolo (e nem se for o pastor mais famoso do mundo, o concílio denominacional, etc.); Por amor ao povo da Igreja; Para que todos da Igreja possam aprender; Nunca…

Sobre a Questão do Casamento Gay
Artigos / 27 de novembro de 2017

Um dos temas que foi amplamente divulgados e trazidos à pauta nacional entre 2014-2017 foi a questão do casamento gay. Em 2006, a esquerda (militância política brasileira que defende o socialismo e o comunismo) tentou criminalizar a “homofobia” propondo a PLC 122/2006. Este Projeto de Lei foi originalmente apresentado pela Deputada Iara Bernardi (PT-SP) e visava modificar leis brasileiras, criminalizando a chamada “homofobia”. Este Projeto acabou sofrendo alterações diversas e, na versão final, as palavras “identidade de gênero” foram adicionadas. A princípio pareceu inofensivo para a família brasileira esta demanda; no entanto, os cristãos que compõem a bancada evangélica nacional e os católicos, que juntos são representantes legítimos de 86,5% da sociedade brasileira inteira, consultaram especialistas, as Igrejas, os filósofos cristãos e os teólogos cristãos e, percebeu-se o seguinte: 1) Além dos defensores do gramshismo (marxismo cultural) introduzirem subliminarmente a ideologia de Gênero, os autores tentaram restringir liberdades básicas e fundamentais; 2) O PLC/122-2006 era, do início ao fim, um espetáculo de autoritarismo gaysista anticonstitucional que visava privilegiar um grupo denominado de LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Travestis-Transsexuais) às custas da derrubada de (a) toda a cultura cristã, (b) de toda a estrutura de família determinada na Constituição Federal, (c)…

A Importância da Sã Doutrina!
Artigos / 20 de novembro de 2017

Conjuro-te, pois, diante de Deus e do Senhor Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos, na Sua vinda e no Seu reino, que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina. Porque virá tempo em que não sofrerão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências. Mas tu sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério (2ª Timóteo 4:1-4) A sã doutrina ou doutrina saudável é a verdade bíblica – verdade que promoverá saúde e qualidade de vida, seriedade e devoção espiritual, confirmando o povo de Deus na fé. A sã doutrina significa muito para aquele que a recebe; e quer dizer muito, também, para a pessoa que serve a Deus; pois onde quer que o evangelho seja pregado, todo obreiro, seja qual for seu ramo de serviço, ou é fiel, ou infiel à sua responsabilidade como mensageiro do Senhor. Paulo escreveu: Palavra fiel é esta: que, se morrermos com Ele, também com Ele viveremos; se sofrermos, também com Ele reinaremos; se O negarmos, também Ele nos…

Como Houve o Grande Desvio da Doutrina Original?
Artigos / 13 de novembro de 2017

Guardai-vos dos falsos profetas, que vêm a vós disfarçados em ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores. Pelos seus frutos os conhecereis. Colhem-se, porventura, uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos? Assim, toda árvore boa produz bons frutos; porém, a árvore má produz frutos maus. (Mateus 7:15-17). O Que Pretendo Com Este Estudo? Este estudo objetiva demonstrar que a Igreja fundada pelo Senhor e seus Apóstolos não é, sob qualquer hipótese, qualquer uma das organizações que sejam participantes do Cristianismo. Seja ela uma estrutura católica romana, ortodoxa, protestante, evangélica ou de qualquer outro ramo que confesse qualquer uma das doutrinas defendidas pelo Concílio de Nicéia. É claro que uma afirmativa tão abrangente como esta não é feita sem uma argumentação com fundamentação bíblico-histórica e, é igualmente evidente que não espero que a Cristandade e seus defensores (especialmente os que se acostumaram a comer do que é posto em sua mesa), irão rejeitar esta minha exposição; mas, não é para tornar-me popular e aceitável a dignitários que escrevo este material, mas para atender a uma realidade que transcende esta vida. Ou seja, quando eu morrer, quero saber que vivi de acordo com a melhor luz que me foi concedida e não dentro…

Pular para a barra de ferramentas